Kitesurf em lagoa dos Lençóis Maranhenses é recomendado por atleta hexacampeã mundial do esporte

Considerado um dos melhores lugares do país para o kite, o povoado Atins possui condições naturais ideais para a prática do esporte em lagoa, mar ou rio

Antes de se consolidar como destino turístico, o vilarejo Atins já era popular entre os praticantes de kitesurf, esporte aquático que permite velejar sem barco, utilizando apenas uma prancha e uma pipa (ou kite, em inglês). Um dos motivos que fazem do povoado localizado na região dos Lençóis Maranhenses um dos melhores lugares do Brasil para o esporte são os ventos fortes e constantes, que permitem o velejo em lagoa do Parque Nacional, no mar ou em rio.

“É um lugar bem incrível! Acho que todo mundo deveria ir para provar o kite lá, que é uma coisa bem diferente de velejar em outros lugares”, avalia Mikaili Sol, hexacampeã mundial de kitesurf, que velejou em lagoa dos Lençóis em setembro de 2020. Atualmente, a jovem atleta cearense — que cresceu vendo o pai maranhense praticando o esporte — disputa o circuito mundial da GKA (Global Kitesports Association) na categoria Freestyle.

Os ventos favoráveis, no entanto, não são a única razão pela qual o povoado atrai kitesurfistas profissionais e amadores de várias partes do país e do mundo. Segundo o empresário Saulo Prazeres, maranhense apaixonado pelo esporte, o local possui ainda outros atributos que o tornam ideal para o kite.

“Quando a maré está baixa, o velejador tem águas rasas e calmas, propícias ao aprendizado. Além disso, há um canal que liga o rio Preguiças ao mar, sendo um atrativo para curtir grandes ondas no mar e também fazer downwind [travessia a favor do vento] com paisagens paradisíacas na região dos Lençóis Maranhenses”, descreve Saulo.

O kitesurf o levou a ter seu primeiro contato com o povoado, há mais de 10 anos, e também foi uma de suas principais motivações para empreender em Atins, fundando o hotel Vila Aty, do qual é sócio-administrador. “Conheci o vilarejo de Atins em 2009 vindo de uma kitetrip que partiu de Tutoia. Uma chegada ao pôr do sol, a praia estava linda. Foi nesse momento que escolhi Atins para iniciar a jornada no turismo”, relembra o empresário.

Passar o dia na praia de Atins velejando entre o rio e o mar, fazer downwinds de 15 a 25 km partindo da praia do povoado até o Canto do Atins, e o velejo em uma das lagoas dos Lençóis — que é liberada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para a prática do esporte — são algumas das atividades que Saulo recomenda aos kitesurfistas que estiverem visitando a região. Ainda de acordo com ele, a melhor época para velejar são os meses de julho a dezembro, quando os ventos ficam mais fortes.

Atins

Situado no município de Barreirinhas (MA), o povoado Atins é uma das principais portas de entrada para conhecer o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Apesar de ser um dos destinos mais remotos e isolados do Maranhão, possui localização estratégica para conhecer o Parque, ficando à distância de apenas 2,5 km do início das dunas e lagoas dos Lençóis.

O acesso a esse local de natureza preservada pode ser feito a partir do centro de Barreirinhas em veículo 4×4, percorrendo trilhas de areia, ou em lancha, pelo rio Preguiças.

 

 

(Da redação com informações da Assessoria)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIÁRIO DE BORDO NO JP

Vanessa Serra é jornalista. Ludovicense, filha de rosarienses.

Bacharel em Comunicação Social – habilitação Jornalismo, UFMA; com pós-graduação em Jornalismo Cultural, UFMA.

Atua como colunista cultural, assessora de comunicação, produtora e DJ. Participa da cena cultural do Estado desde meados dos anos 90.

Publica o Diário de Bordo, todas as quintas-feiras, na página 03, JP Turismo – Jornal Pequeno.

É criadora do “Vinil & Poesia” que envolve a realização de feira, saraus e produção fonográfica, tendo lançado a coletânea maranhense em LP Vinil e Poesia – Volume 01, disponível nas plataformas digitais. Projeto original e inovador, vencedor do Prêmio Papete 2020.

Durante a pandemia, criou também o “Alvorada – Paisagens e Memórias Sonoras”, inspirado nas tradições dos folguedos populares e lembranças musicais afetivas. O programa em set 100% vinil, apresentado ao ar livre, acontece nas manhãs de domingo, com transmissões ao vivo pelas redes sociais e Rádio Timbira.

PIX DIÁRIO DE BORDO SLZ
Publicidade

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivos